quarta-feira, 16 de julho de 2014

BAT... &... MAN

Há coisas que o meu pai me ensinou, ainda muito pequena, que me fizeram ter uma perspectiva diferente sobre as coisas. 
E, quando digo uma perspectiva diferente, não quero dizer que seja melhor ou pior mas com a qual vivo muito feliz.
Adoro uma boa trovoada, seja de inverno ou de verão, devido ao facto de que, em férias, em Trás-os-Montes, cada vez que caía uma, o meu pai me levava para a varanda para tentarmos fotografar os raios. 
Alheios às mulheres da casa, que punham a imagem de Santa Bárbara à janela e murmuravam ladainhas intermináveis, nós divertiamo-nos com os ziguezagues formidáveis que rasgavam a escuridão dos céus, antes das bátegas de água nos obrigarem a abrigar dentro de casa.
Outra das coisas que me ensinou, contra todas as superstições que muita gente tem, foi a de gostar de morcegos. 
Ensinou-me a respeitá-los, a boa limpeza que ajudam a fazer à pequena bicharada que nos incomoda, explicou-me o radar apurado que os orienta e peguei em muitos e fiz-lhes festinhas no pelinho macio que têm.
Isto porque havia imensos pendurados no interior de um santuário do séc.XIV (?), nos arredores da aldeia, onde alguns engraçadinhos tinham a mania de ir com uma pressão de ar, matá-los.
Gosto de morcegos. Considero que, onde há morcegos, são sítios felizes, não sei bem porquê nem onde fui buscar essa teoria.
O facto é que, no 9º andar onde moro, no Porto, em frente ao mar, tenho morcegos a voar à noite e já me entraram pela janela. 
Na quinta, o que já não é de admirar tanto porque é no campo, tenho morcegos também. E foi um destes que, uma destas manhãs, encontrei na minha cozinha, com um fartote de mosquitos que o devem ter atraído e feito entrar pela chaminé. Agradecido pela limpeza, o meu marido pendurou-o numa parede exterior, donde voou feliz, mal a noite caiu.


Parece enorme mas é minúsculo.

2 comentários:

Anabela Julião disse...

Também adoro morcegos e tenho a sorte de os ver de vez em quando aqui ao pé de casa. Às trovoadas, tenho um respeito enorme e se não estiverem mesmo em cima de mim, também aprecio os relâmpagos ao longe :)

Beijocas***

nono disse...

Olá! Sou Noemi, sou brasileira. Estava pesquisando sobre plantio de hortas quando me deparei com um termo q, apesar de conhecer, quis saber exatamente a que se aplicava. Quando busquei no google, me chamou a atenção o fato de aparecer uma comida. Se parece com um doce daqui q chamamos de pé-de-moleque. Fui verificar e me encaminhou ao seu blog. Amei.