segunda-feira, 29 de junho de 2015

EMPADAS DE LEGUMES COM QUEIJO DE CABRA

Resolvi inventar estas empadas a pensar na filhota que é vegetariana mas de que todos gostaram.
São rápidas de fazer e muito saborosas, acompanham bem um almoço leve ou um lanche.

Recheio
1 curgete
meio pimento vermelho
8 cogumelos grandes
queijo de cabra grego q.b.

Massa
3 ovos
150 ml de leite
3/4 de chávena de farinha
2 c. café de fermento
sal e pimenta

Passei a curgete num ralador grosso e coloquei no fundo das forminhas de silicone.
Cortei os cogumelos em pedaços, pimento vermelho em cubinhos e queijo de cabra grego e coloquei por cima da curgete. Temperei com sal e pimenta.



Parti três ovos inteiros para um copo alto, juntei o leite, a farinha com o fermento, temperei com sal e pimenta e bati tudo até ficar uma mistura lisa e sem grumos. 
Enchi as forminhas com esta massa, fazendo-a chegar ao fundo com a ajuda de uma colher de café.
Foi ao forno 30 min. a 180º.


O aspecto final é o da foto abaixo do almoço light.

domingo, 28 de junho de 2015

CALOR

Almoço super leve para acompanhar o calor, de digestão fácil para ir cedo para a água.


Salada Gourmet já lavada com laços de massa, azeitonas,tomates aos quartos, carnes frias, atum, sardinhas em tomate, empadas de legumes e queijo de cabra, temperada com flor de sal, azeite e limão.


quarta-feira, 24 de junho de 2015

BROWNIE DE CHOCOLATE E FRAMBOESAS

Adorei este bolinho, húmido e pegajoso, bem simples de fazer, rápido e muito saboroso.
Um bom uso para as minhas framboesas.
Voou num instante porque todos gostaram imenso, mesmo sem ser acompanhado por gelado como eu planeara servi-lo. 
Tirei a receita do blogue « As minhas receitas», é bolo para repetir mais vezes e já está nos meus favoritos.



BOLO BROWNIE DE CHOCOLATE E FRAMBOESAS

3 ovos
200g de chocolate
60g de manteiga
100g de açúcar amarelo
60ml de natas
40g de farinha
125g de framboesas frescas
açúcar em pó para polvilhar q.b.

Num tacho coloque o chocolate partido em pedaços, o açúcar, a manteiga e as natas e leve a lume brando até tudo estar derretido e ter uma mistura suave.
Noutra taça misture os ovos com a farinha até bem incorporado e acrescente depois a mistura de chocolate derretido e misture tudo novamente até obter uma mistura lisa e sem grumos.
Coloque depois a mistura numa forma de mola, previamente untada e forrada com papel vegetal. Por cima disponha as framboesas (guarde algumas para a decoração final).
Leve ao forno previamente aquecido a 160ºC durante cerca de 30 minutos ou até o bolo estar cozido.
Retire do forno e deixe arrefecer um pouco antes de desenformar.
Depois de frio decore com as restantes framboesas e polvilhe com um pouco de açúcar em pó.



domingo, 21 de junho de 2015

JÁ APETECEM...

Para festejar o 1º dia de Verão

Calor = gelados

Estou em plena produção de framboesas e, como são um fruto que não se conserva muito tempo, tenho que as consumir rapidamente, de todas as maneiras. Estas minhas não têm nada a ver com as que se compram pois colho-as bem madurinhas e são doces e saborosas.


Desta vez fiz um gelado que deu para 6 copinhos e uma caixinha, para raspar bolas com uma colher de gelados e servir com um bom bolo. Não é muito doce por isso aconselho os gulosos a aumentar a quantidade de açúcar até porque têm que considerar o grau de acidez das framboesas que usam.



GELADO DE FRAMBOESAS

1/2 lata de leite de coco
2 iogurtes naturais (ou gregos)
3 c.s bem cheias de açúcar 
sumo de meio limão
uma pitada de sal
framboesas ( fiz a olho, 300gr?)

Misturei as framboesas com o sumo de limão e polvilhei com uma colher de açúcar, deixei assim 15 min. Depois esmaguei as framboesas com um garfo e passei por um passador para retirar as grainhas.

Numa taça misturei os ingredientes restante, os iogurtes, o leite de coco, as 2 colheres de açúcar e a pitada de sal.

Por fim enchi os copos de gelado com parte do creme branco, a seguir o de framboesa e depois mais branco. Com o pauzinho misturei ao de leve, só para dar um aspecto marmoreado, e foi para o congelador.

O que sobrou deitei numa caixa, primeiro o creme branco e depois o de framboesa. Fiz uns arabescos com a ponta da faca e congelei.


quinta-feira, 18 de junho de 2015

FLORES

É Primavera, está aí o Verão e o meu canteiro das aromáticas está em flor por todo o lado, na quinta.


a alfazema


os cravos cheirosos como tinha o meu avô...


as gardénias


a segurelha


o tomilho


o cebolinho


e estas que não sei como se chamam!

segunda-feira, 15 de junho de 2015

SUPERTRAMP

Eu vou!


Ainda faltam 5 meses para o espectáculo mas o tempo voa e não tarda nada é Novembro...
Quem diria que depois de"cota" é que vou a um concerto, relembrar canções da juventude e vibrar com um género de música que sempre apreciei!


terça-feira, 9 de junho de 2015

BREMEN 2

O que é bom acaba depressa!
É certo que esta escapadinha a Bremen, não passou disso mesmo, um fim de semana prolongado para "matar" a rotina, espairecer e ganhar forças para a recta final...
Vou deixar aqui uma espécie de mini roteiro, não por pretensão mas porque pode ser útil a quem lá queira ir em breve. Eu, antes de ir, encontrei algumas coisas aqui e ali, em blogues brasileiros e foram-me muito úteis. 




Marktplatz, a sala de visitas da cidade, com a estátua de Rolando, de 1404, sobrinho do líder do Sacro Império Romano que defendeu a Europa da invasão islâmica em 800 D.C. e símbolo da defesa da liberdade; a Rathaus, a câmara de Bremen, uma das mais belas da Alemanha, um fascínio para o olhar que vai descobrindo pormenores em cada canto; o Schuting, câmara do comércio  e, num dos lados da Rathaus, os famosos músicos de Bremen.





A Catedral, S. Petri Dom, imponente, começada a construir em 791 sofreu várias reconstruções e remodelações ao longo dos tempos, quer devido à destruição pelo fogo, como pelas invasões, como por desastres naturais... Hoje pertence à Igreja Evangélica alemã, foi luterana, calvinista mas a arquitectura e o trabalho de decoração mostram bem que já foi católica.








A Böttcherstrasse, uma pequena rua de 100m que ligava a praça ao rio Weser com o painel em relevo de ouro, e a  Haus des Glockenspiels com o carrilhão que toca sempre às 12h, 15h e 18h, abrindo literalmente uma das paredes em tijolo e mostrando uma série de figuras, homenagem aos argonautas dos descobrimentos e do início da aeronáutica. Fiquei muito zangada porque nem vi lá o Vasco da Gama, nem o Gago Coutinho e Sacadura Cabral ... coisas!



E depois o Schnoor... bairro de arquitectura original, do séc.XV a XVI, antigo bairro de pescadores, hoje bairro de artesãos, com lojinhas absolutamente deliciosas e souvenirs para todos os gostos e bolsas, das poucas coisas abertas ao domingo. Há ruas estreitinhas com pouco mais de 60 cm de largura.




A Church of our Lady, estava em obras mas o que estava à vista era absolutamente delicioso...


A praça dos bancos (de dinheiro), num dos lados da catedral, onde se encontra a famosa  Spucksteinpedra de cuspir, hábito pouco higiénico mas de repúdio, no local onde foi guilhotinada publicamente a última pessoa, uma mulher, em 1831. Eu não percebi se o repúdio é por ela ter sido guilhotinada ou ser uma assassina de 13 pessoas.



A não perder o Schlachte, um passeio à beira rio, onde sexta e sábado à noite parece S. João, com gente de todas as idades que se passeia, janta e bebe umas valentes cervejas, no meio de grande algazarra, gargalhadas e boa disposição. 
Isto assim que o bom tempo o permite, o que foi o caso, 30º na sexta e nem uma aragem! 
Depois, ao sábado e domingo de tarde, toda a gente se passeia, apanha sol, uns  a pé, de bicicleta, de patins ou skates e vão-se refrescando com mais cerveja até chegar a happy hour para começarem os cocktails...





sábado, 6 de junho de 2015

BREMEN 1

Bremen está a revelar-se tudo o que eu esperava e ainda mais.
Uma cidade lindíssima, com um centro medieval muito bem preservado (apesar da guerra), tive a sorte de apanhar um tempo espetacular, ontem estavam 30°e hoje 25°.
Uma cidade cheia de vida onde as noites parecem de S. João tanta é e gente que anda na rua, nas esplanadas dos jardins da cerveja, à beira rio.




domingo, 24 de maio de 2015

FAVAS

A quinta está em plena produção de favas e ervilhas de quebrar, por isso  há que as aproveitar e cozinhar de todas as maneiras.
Porque não seguir as sugestões dos grandes mestres? Não, não me refiro aos chefes de cozinha mas aos nossos escritores...


"E já espreitava a porta, esperando a portadora dos piteus, a rija moça de peitos trementes, que emfim surgiu, mais esbrazeada, abalando o sobrado―e pousou sobre a mesa uma travessa a trasbordar de arroz com favas.
 Que desconsolo! Jacintho, em Paris, sempre abominára favas!... Tentou todavia uma garfada timida―e de novo aquelles seus olhos, que o pessimismo ennovoára, luziram, procurando os meus. Outra larga garfada, concentrada, com uma lentidão de frade que se regala. Depois um brado: ―Optimo!... Ah, d'estas favas, sim! Oh que fava! Que delicia! 
E por esta santa gula louvava a serra, a arte perfeita das mulheres palreiras que em baixo remexiam as panellas, o Melchior que presidia ao brodio... 
―D'este arroz com fava nem em Paris, Melchior amigo! 
O homem optimo sorria, inteiramente desannuviado: 
―Pois é cá a comidinha dos moços da quinta! E cada pratada, que até suas Incellencias se riam... Mas agora, aqui, o Snr. D. Jacintho, tambem vae engordar e enrijar!"

Eça de Queirós, A cidade e as Serras, Lello & Irmão editores. 1901

terça-feira, 12 de maio de 2015

CONFRARIAS

Não há nada como uma visita cultural como pretexto para um bom almoço e um bom convívio.

Mosteiro de Pombeiro, pertencente à zona cultural norte, uma joía maltratada que começa agora a ser reconstruída e recuperada, situando-se na Rota do Romântico do Vale do Sousa.
Datado de 1059, foi sofrendo ao longo do tempo melhoramentos e acrescentos, sendo bem visível a época em que cada uma se deu. Pertencente à ordem dos Beneditinos, conheceu o seu fim aquando da extinção das ordens religiosas em Portugal em 1834. Foi declarado monumento nacional em 1910.





Depois, um bom cabrito assado com batatinha nova assada, arroz de forno e esparregado, para retemperar as forças. De sobremesa, dispensei os doces porque me consolei com umas belíssimas cerejas de Resende, sumarentas e saborosas, as primeiras da época. Mas disto tudo não há fotos...

sexta-feira, 8 de maio de 2015

FAIR ISLE

Acabei o colete de lã que tricotei com os novelos Vitória, da Ovelha Negra. Ainda me falta comprar os botões e colocá-los mas não resisto a mostrar já o trabalho feito.


Usei lã de quatro cores: 03, um castanho pardo; 04, um cinza azulado e um marfim, de lã 100% portuguesa, Vitória ( estas cores cheiram mesmo a ovelha, ainda tenho que o lavar com shampoo para amaciar a lã e fazer desaparecer o cheiro), o castanho mais escuro é Phoebus, do Lopo Xavier.


O esquema de fair isle que usei foi este aqui, muito simples mas que dá um bom efeito, encontrei-o no Pinterest. Claro que como é costume vou fazendo as minhas alterações.

 O resultado agradou-,me bastante, a lã trabalha-se bem e avança rapidamente. Agradou-me tanto que já estou a fazer um casaco de Vitória 017, um verde bandeira muito chamativo. Vamos ver como fica.