segunda-feira, 20 de outubro de 2008

EU QUERO UMA CASA NO CAMPO...

Quem é que não queria cozinhar nem fazer nada?
Pois é, a mim só se me atarem de pés e mãos!
Sábado reuniram-se os amigos todos lá na quinta, fazemos isso muitas vezes numa de «Amigos de Alex» e foi um dia muito bem passado! Por mim eles teriam ficado lá a dormir mas quiseram regressar...fica para outra vez.
Domingo como estava mais repousada deu-me para as compotas. Tinha uma bela fiada de abóboras no muro a desafiarem-me e eu não resisti.
Escolhi a mais laranjinha, fotografei-a, descasquei-a, parti-a aos bocadinhos e pu-la a cozer.

Escorri-a e... de repente lembrei-me que a compota não se fazia assim!
Pois, é o cansaço! Ou a idade! De um ano para o outro varrem-se-nos estas coisas da mente.
Vai daí peguei noutra abóbora, desta vez enorme e verde.

COMPOTA DE ABÓBORA

Descasquei 3 kg. de abóbora, parti aos bocados, juntei-lhe 1 1/2 kg. de açucar, 2 paus de canela e levei a cozer em lume brando até estar desfeita e em ponto.
Antes de desligar juntei-lhe uma taça de nozes cortadas grossas e raspa de 2 laranjas.

Muitas vezes junto nozes em vez de amêndoa porque gosto mais delas. A outra guardei-a e vou fazer hoje uns bolinhos. Nada se perde!


E enquanto fazia a compota deu-me para aproveitar o mangericão.
Daqui a nada vêm as noites frias e fica queimado. Resolvi fazer Pesto. Não sou grande apreciadora deste molho, acho-o muito forte mas a filhota gosta muito e assim fazia-lhe a surpresa
MOLHO PESTO

Um bom ramo de mangericão
4 dentes de alho
sal grosso
azeite q.b.
1 c.s. de parmesão ralado

As receitas que andei a consultar mandavam moer o mangericão num almofariz, saltei essa parte. Deitei-os num copo alto juntamente com os alhos, sal e algum azeite e meti-lhe a varinha mágica. Moí tudo muito bem, juntei mais azeite no final e guardei num frasquinho. Devia levar pinhões esmagados mas estão caros e eu na quinta não os tinha!

Digo-vos sinceramente este molho não tem nada a ver com o que se compra. É infinitamente melhor e até eu gosto!

8 comentários:

sandra disse...

Nada como um dia no campo, a usufruir de tudo o que ele nos proporciona, para esquecer uma semana de trabalho aborrecida... A compota parece-me óptima!

ameixa seca disse...

Pois... eu quero uma casa no campo!!! Isto faz-me lembrar uma serie antiga que deu na 2 "Viver no campo" :)
Nunca vi uma abóbora tão laranjinha assim... fantástica!!! E essa compota é das minhas preferidas... com nozes ou amêndoas. As abóboras são lindas mesmo só a decorar :)

Noémia disse...

Sandra, a compota está mesmo boa e tens razão, o campo revigora a alma.
Ameixa, lembro-me bem dessa série. Agora estava mais a pensar na música da Elis Regina.:)
Quanto à compota é mais um ponto em comum.

Estórias e Memórias disse...

Uma tarde bem produtiva :D Tb fiz pesto há uns dias e achei muito forte para o meu paladar. Acho que também ficaria bom com nozes (os pinhões andam mesmo pela hora da morte). A compota tem um ar fantástico.

Parabéns pelo blog. Muito interessante :D

Noémia disse...

Obrigada , por comentares e gostares.
Por acaso não me lembrei de pôr nozes no pesto,ainda olhei duas vezes para as sementes de sésamo mas ficou assim mesmo.:)

anna disse...

Uma belissima compota seguida de um excelente molho...
Fim de semana de inspiração foi o que tiveste!
Beijinhos.

Bergamo disse...

Olá Noémia,
O texto-poema lá no blog do Bergamo é de minha autoria mesmo!!! rsrsrsrs...agora me meti a escritor...só essa faltava né? É que algumas coisas estavam me atormentando e escrever sempre é uma boa idéia (ou cozinhar, mas o tempo não permitiu).
E que cor linda essa abóbora, parece uma miragem...
Abraços,
Bergamo

Noémia disse...

Bergamo,miragem não é porque já se transformou em saborosos bolinhos!:)Mas que era linda, isso era!
Quanto ao seu poema, gostei muito. Se escreve tão bem e lhe "desatormenta" a alma, porque não continuar?
Abraços