sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

ANSEIOS


Não sei se alguém pode dizer que tem saudades de uma coisa que nunca teve.

Talvez a palavra mais correcta seja nostalgia...talvez.

O que é certo é que eu tenho uma nostalgia enorme por duas ou três coisa que nunca vivi.Mas gostava! Uma nostalgia que até doi.

Adoraria viver, um mês ou dois, numa cabana no meio de uma floresta completamente nevada, no pino do Inverno, lá para a Suécia ou Noruega... Perdoe-me Cláudia pois sei que este meu sonho é o seu desassossego mas deliro com as suas fotos. Sinto falta daquela brancura intocada a envolver-me, do silêncio apenas quebrado pelo vento nas árvores ou de um ou outro ramo quebrado. De estar quentinha e confortável e apenas sair à porta da rua para receber o soco gelado do ar a cortar-me a respiração.

Outra nostalgia minha era poder viver dois a três meses em Veneza. Não na Veneza de hoje, essa já a visitei duas vezes e adoro-a, mas na Veneza dos Dodges, em plena efervescência mercantil. Na impossibilidade de viajar no tempo, a de hoje servir-me-ia para matar essa saudade e poder pintar muito, aqueles recantos todos, o mistério que se respira em cada esquina.

A terceira, mais doida e inviável era de poder viver um Inverno qualquer, num castelo inglês, na Idade Média ou semelhante.Viver na dureza e desconforto do granito nu, das camas de palha, das tapeçarias nas paredes, dos longos e intermináveis dias de chuva interrupta, onde as mulheres passavam dias a fiar, a bordar, a tecer, não só as vestes necessárias mas as suas próprias vidas e a dos outros.

Bom espero que não haja por aí nenhum psicólogo ou psicanalista, de serviço, a ler-me, senão estou feita.

Todas estas nostalgias bem analisadas devem dar um tratado. Implicam espaços reduzidos e fechados, tempos limitados mas, atenção, não forçosamente solidão! Isto até é interessante porque quem me conhece sabe bem que passo o tempo na rua, saio todos os dias,adoro viver ao ar livre e até costumam brincar comigo que devo ter uma costela gaulesa porque parece que tenho medo que me caia o ( céu) tecto em cima.

De onde vem então esta saudade, ou nostalgia de vivências que não tive cuja ausência chega a doer?

5 comentários:

ameixa seca disse...

A tua sorte é não andar nenhum psicólogo por aqui he he
Eu gostava, tal como tu, de viver num desses países nórdicos, com muita neve, muito frio mas com uma casinha quentinha, lareira acesa, chocolate quente numa mão e um livrinho na outra. Isso é que é qualidade de vida. E trabalhar a partir de casa também era bom, ó se era :) Sou muita mais caseirinha que tu, compreende-se este meu desejo. Gostava de conhecer Vezeza também, aliás... a Itália toda, que deve ser algo de inesquecível! Já os castelos assustam-me um bocadinho. Só se me enfiassem na cozinha... aí até ia gostar. E depois vinhas tomar um cházinho quente comigo e cortar na casaca aos lordes, certo? he he
Sonhar é que é bom e nunca fez mal a ninguém :)

Noémia disse...

A minha esperança era que não estivesses de serviço:)
Ainda bem que tu também gostas, mais ou menos, das mesmas coisas. Assim não corro o risco de me analisares! :)
Essa da cabana, do chocolate quente, do livro e do trabalho a partir de casa seduz-me bastante! Vamos?

Gina disse...

Será que em outras encarnações você não viveu nesses lugares e nessas épocas...?
Tem várias psicólogas entre as visitantes do blog, mas o que importa é poder extravasar o que lhe vai na alma, seus sonhos, anseios, nostalgias inexplicadas.
Você já foi à Veneza 2 vezes e tem vontade de voltar. Estive lá em 2008 e, apesar de preferir viajar para lugares novos, à Veneza voltaria. Encantam-me lugares assim, é uma imersão ao passado. Tive vontade de dançar na Praça de San Marco, ao som dos violinos...
Seu post me fez divagar!
Bjs.

Noémia disse...

Gina, eu sei que hápsicólogas entre as munhas leitoras, por isso é que eu dissede brincadeira qu esperava que nenhuma estivesse de serviço!:)
Quem sabe se não terei vivido já essas situações e na verdade o que sinto são saudades?!
Veneza é única, na verdade, acho que voltatria lá vezes sem conta e sempre encontraria motivos para gostar e divagar. Quem não dançaria na praça de S. Marcos?:)

Jacquelynne disse...

I dream about those places, too. I think sometimes we just get tired of where we are and we would like to see and be somewhere new.