quarta-feira, 1 de julho de 2009

TEXTOS!

Esta foto podia ter sido tirada num qualquer dia do Inverno passado, basta olhar para o cinzentão das nuvens. Acontece que ela é de hoje, exactamente de há 5 min atrás. É o Verão que se pode arranjar por aqui!


Talvez influenciada pela melancolia do tempo veio-me à memória um texto que eu achei belíssimo na altura que o li, há já um bom par de anos e que compartilho agora convosco. Leiam-no devagar, parem mesmo nos pontos e façam pausas grandes nas vírgulas. Saboreiem como se fosse um rebuçado...

« Seguiam pelo passeio de mãos dadas. Talvez o vento ligeiro que se levantou os molhasse ainda mais. Quando os atingia a chuva transformava-se em flores, como é de uso acontecer ao pão, nos milagres. Ou, como as flores continuam caras, talvez a chuva se limitasse a uma carícia, considerando tudo mais desnecessário.
Certo, certo, é que a chuva lhes ensopava o cabelo e que havia que, com a manga do casaco, ou simplesmente com os dedos, ir suavemente aceitando os pingos que lhes desciam pelo nariz.
Eles. Eles são eles. Eles são o príncipio de tudo o resto, sim, o resto é quase o fim do dia, a chuva farta e mansa, os autocarros embaciados, as pessoas apressadas ou abrigadas, resignadas, submissas, debaixo dos toldos.
Eles. Eles têm catorze anos, vão devagar como qualquer eternidade que se preze e tudo o mais de espanto é ficar a vê-los pelo passeio fora, de mãos dadas,enquanto a chuva cai, cai, cai.
Enquanto a noite se vai infiltrando por tudo o que é cidade.
Enquanto Lisboa se vai acomodando para a hibernação de todos os silêncios.
De súbito um carro pára diante deles, no outro lado da rua. Um vulto feminino desce, cobre a cabeça com a mão direita, acena com a outra:
- Eh pessoal! Querem boleia?
Eles estacam. Num acto instintivo de protecção Júlia põe-se à frente do rapaz.
- A professora Zília! - exclamam ao mesmo tempo.
-Não querem vir?
- Não vale a pena.
- Mas está a chover muito!
- Isto não é nada já passa. - grita o João.
- Vejam lá. Está tudo bem? Não há novidade?
- Tudo bem, professora, tudo bem.
Zília fica a vê-los afastarem-se, pararem na luz da paragem do autocarro, abraçarem-se num beijo, num beijo, num beijo.
Completamente ensopada, Zília entra no carro.
- O que é que tens? - pergunta-lhe o companheiro.
- Não sei - diz ela - Não sei. Mas parece que estou feliz
. »


Este excerto é do livro « o caso da rua Jau », de Mário Castrim.


Mário Castrim (pseudónimo de Manuel Nunes da Fonseca) nasceu em Ílhavo, em 1920, e morreu em Lisboa, em Outubro de 2002. Era casado com a também escritora e jornalista Alice Vieira e pai da jornalista e escritora Catarina Fonseca.
Professor, escritor e jornalista, fez crítica de televisão diária, desde 1965, no Diário de Lisboa. Depois do encerramento deste jornal, em 1990, passou a assinar a crítica de televisão no semanário Tal & Qual. Em 1963 criou, com Augusto da Costa Dias, o Diário de Lisboa – Juvenil, que sempre considerou a sua obra mais importante. Escreveu no jornal Avante! e, nos últimos dez anos da sua vida, trabalhou na revista Audácia, dos Missionários Combonianos.

6 comentários:

ameixa seca disse...

Ainda bem que a chuva não lava o amor :)

Cenourita disse...

"Saboreei" o trecho imaginando-me na cena, a escorrer água da chuva :)

Lindo!

Beijocas***

Noêmia disse...

Lindo texto, Noémia!
Beijos!

Nani disse...

Olá Noémia, tá mesmo um tempo muito incerto nem dá para ir á praia, a não ser ficar no sofá com um bolinho regado de um belo cházinho e este texto maravilhoso, bjs.

Abóbora Amarelinha disse...

Não conhecia!
Adorei, e acredita que mais valia não ter lido, é real demais.
beijinhos
Vou procurar o livro!

Noémia disse...

A chuva lava tudo, Ameixa, o amor é que é resistente! :)

Cenourita,adoro andar à chuva, já andei assim, muitas vezes, à chuva e, no entanto, acho que eu leio sempre esse texto desejando estar debaixo dessa chuva!:)

Obrigada Noémia, são excertos que se me gravam na alma e de vez em quando me vêm à memória!

Tal e qual, Nani, gostei dessa proposta do bolinho e do chápara complementar!:)

Abóborinha,às vezes é assim nas coisas reais que se cruzam connosco, que reside a poesia que nos faz sonhar! :)